Portugal
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

Soldado norte-americano que entrou ilegalmente na Coreia do Norte chegou aos EUA

Soldado norte-americano que entrou ilegalmente na Coreia do Norte chegou aos EUA

JEON HEON-KYUN

Travis King, soldado detido em julho, após ter atravessado ilegalmente a fronteira da Coreia do Norte, chegou à cidade americana de San Antonio. O militar irá passar por um programa de reintegração, no qual será submetido a avaliações médicas

O Departamento de Defesa dos Estados Unidos anunciou hoje que o soldado Travis King, detido em julho pelas autoridades norte-coreanas após cruzar a fronteira de forma irregular, chegou à cidade americana de San Antonio.

"O soldado King chegou esta manhã a San Antonio, onde passará por um programa de reintegração. Será submetido a exames e avaliações médicas e depois vai reunir-se com profissionais para avaliar sua saúde emocional e mental", afirmou a porta-voz, Sabrina Singh.

O soldado será também interrogado por oficiais do Exército para saber todos os detalhes do que aconteceu durante na sua detenção na Coreia do Norte.

"Neste momento, estamos focados em garantir que ele está saudável (...). Deve passar pelo programa de reintegração (...). Estamos realmente focados na saúde dele e em reuni-lo com a sua família", acrescentou Singh.

O militar entrou na Coreia do Norte quando fazia uma visita civil a uma aldeia fronteiriça, em 18 de julho, tornando-se o primeiro cidadãos dos Estados Unidos a ser detido no Norte em quase cinco anos.

Na altura em que se juntou à visita civil e atravessou a fronteira, deveria estar a caminho de Fort Bliss, no Texas, depois de ter sido libertado de uma prisão sul-coreana devido a uma condenação por agressão.

O regime norte-coreano confirmou a presença de King em meados de agosto, afirmando que este procurava asilo devido aos "maus tratos" e "discriminação" que sofreu dentro das Forças Armadas dos Estados Unidos. Segundo a versão norte-coreana, o soldado admitiu que a sua entrada era ilegal e levantou a possibilidade de o seu asilo ser num terceiro país.