Portugal
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

Mais de 117 toneladas de resíduos relacionados com droga recolhidas este ano no Porto

A Câmara do Porto recolheu este ano 117,4 toneladas de resíduos relacionados com o consumo de droga, ao abrigo de um projeto que, desde 2018, permitiu tirar das ruas mais de 525 toneladas de seringas, pratas e cachimbos.

O relatório do projeto "Porto, Cidade Sem Droga", a que a Lusa teve esta sexta-feira acesso, indica que entre janeiro e 28 de setembro foram recolhidos 117.390 quilogramas de resíduos, no decorrer de 3.831 ações realizadas por toda a cidade.

Lançado em 2018, o projeto visa a recolha de resíduos relacionados com o consumo de droga, realizando ações de recolha por todo o município, mas com "especial foco" na zona da Pasteleira, Lordelo do Ouro e Aleixo, mas também noutros locais como: ciclovia da Rua Paulo da Gama, Rua D. João de Mascarenhas, junto à bomba de gasolina na Rua de Diogo Botelho, bairro Pinheiro Torres, entrada da VCI junto à Rua António Bessa Leite, envolvente do antigo bairro do Aleixo, Rua Manuel Pinto de Azevedo e Sé do Porto.

As intervenções são realizadas de segunda-feira a domingo por membros do Departamento Municipal de Espaços Verdes e Gestão de Infraestruturas, em articulação com a Polícia Municipal.

Desde o lançamento do programa, em 2018, foram recolhidos 525.800 quilogramas de resíduos provenientes do consumo de droga, como pratas, seringas e cachimbos, e realizadas 13.727 ações.

De acordo com a informação partilhada pela Câmara do Porto, desde o início de junho os serviços municipais começaram a intervir numa placa ajardinada na entrada da Rua de D. Hugo, na zona da Sé do Porto, com frequência de intervenção entre duas a três vezes por semana "ou conforme as necessidades".

Já no início do mês de agosto, o projeto passou a integrar um novo local naquela zona, nomeadamente, a Casa dos 24, junto à Rua Escura, onde a intervenção é atualmente diária, mas passará a ser reforçada.

"A partir da próxima segunda-feira passará a ser bidiária", adianta a autarquia.

A Câmara do Porto informa também que a maioria dos resíduos encontrados nestes locais são seringas e que, por dia, são recolhidos entre 10 e 20 objetos deste género.