Portugal
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

China anuncia missão para recolher amostras do lado oculto da Lua em 2024

Foto Lusa

A China anunciou hoje que irá lançar em 2024 a sua próxima missão lunar, Chang'e 6, para pousar e recolher amostras numa região do lado oculto da Lua que há muito intriga os cientistas.

De acordo com o jornal oficial do Partido Comunista, o China Daily, a Administração Espacial da China avançou que o projeto "progrediu sem problemas até agora e foi meticulosamente planeado".

A missão irá consistir em vários componentes, incluindo uma nave que irá ficar em órbita, um módulo lunar que irá pousar na Bacia do Pólo Sul-Aitken, um elevador e um módulo de reentrada.

Um dos principais desenvolvimentos desta missão será o lançamento do satélite retransmissor Queqiao 2, previsto para a primeira metade de 2024, para facilitar a comunicação entre a sonda Chang'e 6 e a Terra, garantindo uma transmissão eficiente de dados.

Se a missão for bem-sucedida, esta será a primeira vez que amostras serão obtidas do lado oculto da Lua, o que poderá revelar informações valiosas sobre a história do satélite.

Além de sua importância científica, o Chang'e 6 irá transportar na nave e no módulo lunar uma carga internacional que inclui 10 quilos de equipamentos estrangeiro.

A França, a Itália e a Agência Espacial Europeia irão contribuir com instrumentos científicos, enquanto o Paquistão irá fornecer carga útil.

A mais recente sonda lunar chinesa, Chang'e 5, viajou até ao satélite em 2020, onde recolheu 1.731 gramas de amostras de solo.

O programa Chang'e, em homenagem a uma deusa que segundo as lendas chinesas vive na Lua, começou com o lançamento de uma primeira sonda em 2007.

O anúncio da Chang'e 6 surgiu depois do Festival do Bolo Lunar, festejado na noite de sexta-feira, durante o qual os chineses tradicionalmente saem à rua com lanternas para ajudar a deusa Chang'e a reencontrar o marido.

Nos últimos anos, o programa espacial chinês alcançou vários sucessos, como pousar a sonda Chang'e 4 no lado oculto da Lua --- um feito inédito --- e colocar uma sonda em Marte, tornando-se o terceiro país --- depois dos Estados Unidos e da antiga União Soviética --- a fazê-lo.

A China concluiu também no ano passado uma estação espacial permanente, no culminar de mais de uma década de esforços para manter presença constante de tripulantes em órbita.