Cape Verde
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

Dia do Pai: Responsabilidade parental continua a ser um grande desafio em Cabo Verde

A maior responsabilidade parental continua a ser um “grande desafio” em Cabo Verde, assim como a questão da Violência Baseada no Género (VBG), tendo em conta que um pai quando maltrata ou bate numa mãe isso reflecte drasticamente a vida dos filhos.

Esta é a opinião de alguns especialistas ouvidos pela Inforpress, no âmbito da comemoração do Dia do Pai, que se assinala hoje, 19.

Segundo Paulino Moniz, membro dirigente da Rede Laço Branco, o homem tem que ter mais responsabilidade com os filhos, dando mais afecto e contribuir mais para a sua educação, alimentação e saúde.

Nesse sentido defende que, para que os pais cuidem mais dos seus filhos, esta associação diz que tem estado a promover um conjunto de reflexões sobre este dia, e ao longo do ano, tentando ajudar as pessoas sobre o valor de ser pai e a importância deles na vida dos filhos.

Esta associação, garantiu, já participou ao longo de 2022, em mais de 150 actividades para sensibilizar na consciencialização dos homens e mulheres na questão da parentalidade, como também da sociedade, para que possam mudar essa mentalidade e resolver a problemática da fraca assunção da paternidade responsável no país.

Violência baseada no Género

A questão da Violência Baseada no Género (VBG) é outro desafio que aponta, a par da paternidade responsável.

Como argumenta, muitas vezes, um pai pode maltratar a mãe, e isso, explica, reflecte-se drasticamente na vida dos filhos.

Nesse contexto, defende uma lei mais dura, nesta matéria, em Cabo Verde, obrigando o pai a ajudar economicamente no crescimento do filho, independentemente se tem um trabalho fixo ou não.

Segundo explica, uma criança precisa tanto de apoio financeiro para resolver várias necessidades básicas, como afectivo.

Lei da partilha e guarda dos filhos

Chama ainda a atenção para a lei da partilha e guarda dos filhos, afirmando que “não há nenhuma lei” que estimula o pai a dar o afecto e cuidar do mesmo. 

“Há dimensões que não são feitas com leis e acções, pois é preciso trabalhar para que a sociedade se torne reflexiva, onde cada pessoa questiona o seu pensamento, sentimento e acção social”, apelou.

Segundo o mesmo, dados disponibilizados pelo Instituto Nacional de Estatística, apontam que há 13.000 crianças em Cabo Verde que não tinham registo do pai no seu documento e cerca de 55% não viviam com o pai.

ACRIDES defende maior apoio às famílias

Também para Lourença Tavares, da ACRIDES, a responsabilidade parental ainda é um dos “problemas” em Cabo Verde.

Conforme explica, citada pela mesma fonte, no país ainda há uma “imensa ausência” dos pais na vida dos filhos, sendo que a maioria das famílias ainda é chefiada por mulheres

Por isso, defende que é preciso ter em Cabo Verde maior presença de serviços sociais nas comunidades, para identificarem os diferentes problemas que as famílias têm e ajudar essas mesmas famílias na tomada de consciência e na resolução de problemas

Comportamento exemplar

Igualmente, o sociólogo  Henrique Varela, alerta que uma criança que não recebe o apoio do pai pode crescer com algum défice de afecto. 

Isso, argumenta, pode influenciar nos relacionamentos que estabelece nos diferentes grupos sociais. Nesse sentido, recomenda que o pai deve procurar ter um comportamento exemplar que sirva de referência e exemplo para o filho, na sua convivência social.

Nesse contexto, defende uma  maior sensibilização dos pais na tomada de consciência para a assunção plena da responsabilidade paternal.A mensagem para este dia, de acordo com o sociólogo, é que deve passar a conjugar o verbo “amar como obrigação e não opção”, justificando que quem ama cuida, protege, aconselha, corrige e acompanha sempre.

C/Inforpress

PUB